MAIO 2017

OUTROS EVENTOS

AUDITÓRIO |CASA MUNICIPAL DA CULTURA

Ana Maria Garcia dos Santos começou a rabiscar os seus poemas com cerca dos 15 anos, atraída por poemas de autores portugueses, entre eles Luís de Camões. Quase toda a sua poesia era de inspiração romântica, fomentada pela solidão de vários momentos, pela música de carater romântico ouvida na rádio e pelas suas paixões. Aos 17 anos decidiu iniciar-se na prosa, escrita que de certa forma, apreciava mais atendendo a que gostava muito de descrever o que a rodeava, realidades duma vida. Assim, iniciou o seu percurso literário aos 47 anos através da publicação de 4 poemas na colectânea de poesia UTOPIA(S) editada pela SINAPIS Editores, a 26 de Setembro de 2015, a que se seguiu a publicação de mais 4 poemas na colectânea de poesia PARADIGMA(S) editada pela COLIBRI Editores, a 24 de Setembro de 2016. Com as Edições OZ, publicou o seu 1º romance, “Confissões”, sob o pseudónimo Nina Garcia, a 26 de Novembro de 2016.

ABRIL 2017

OUTROS EVENTOS

AUDITÓRIO |CASA MUNICIPAL DA CULTURA

Dia 8 | 15:00 Horas

APRESENTAÇÃO DE LIVRO MEMÓRIAS QUE FAZEM HISTÓRIA – LAPA DOS DINHEIROS, de ZITA RODRIGUES

“Memórias que fazem História” é um livro que pretende registar vivências recentes e outras memórias do passado da Lapa dos Dinheiros, uma aldeia do concelho de Seia pertencente à União de Freguesias de Seia, São Romão e Lapa dos Dinheiros. Começa com uma apresentação exaustiva da aldeia, de modo que pode servir de guia aos visitantes que a desejem conhecer. Ao longo da obra, diversas temáticas são abordadas sempre numa perspetiva histórica, seguindo aquilo que a autora conhece, das suas vivências na aldeia e da tradição oral.

Memórias que fazem História possibilita que os mais velhos recordem acontecimentos que viveram, permite que os mais novos conheçam um pouco mais do passado da sua aldeia e pretende que as gerações vindouras possuam registo escrito dos acontecimentos para que se faça a História da aldeia de Lapa dos Dinheiros."

MARÇO 2017

OUTROS EVENTOS

ESPAÇO INTERNET |CASA MUNICIPAL DA CULTURA

Dia 2 Março | 21:30 Horas

APRESENTAÇÃO DE LIVRO DE POESIA
Se os carvalhos falassem
, de Concha Rousia

SINOPSE
Passam-se as páginas do livro como caem as folhas dos carvalhos, em ato intenso de melancolia. Cada poema é recordação, musgo, Saturno. E passam também as cores. A gama cromática das lembranças enche os olhos de quem lê e um olor a óleo invade o corpo… despossuído. Um poemário de viagem estática e deleite espiritual. Uma volta às raízes que cada quem terá de identificar.

Sessão de apresentação seguida de leitura de poemas. Na ocasião haverá ainda oportunidade para debater a atual situação do galego e do seu lugar na lusofonia. A autora dará testemunho da sua experiência.
Concha Rousia, nasceu no sul da Galiza (Os Brancos, Galiza). É Psicoterapeuta e escritora. Foi Bibliotecária da Academia Galega da Língua Portuguesa e cofundadora da mesma em 2008. É membro fundador da Associação Internacional dos Colóquios da Lusofonia e membro da Associação Galega da Língua desde 2004 e Presidente pela parte galega do Instituto Cultural Brasil-Galiza. É Membro da Junta Diretiva da Ordem dos Psicólogos da Galiza, e Coordenadora da Comissão Cultural, desde onde, entre outras atividades criou o Prémio Literário 'Rosa de Cem folhas' que vai pela sua 10ª edição.
Obra publicadas:
Prosa: Herança; As Sete Fontes; Nântia e a Cabrita d'Ouro
Poesia: Cem Vaga-lumes; Se os Carvalhos Falassem
Antologias: IV Antologia de Poesia Lusófona; Mulheres; Poeta, mostra a tua cara; Antologia do XXII Festival de Poesia do Condado; Nas águas do verso; Dez x Dez

DEZEMBRO 2016

OUTROS EVENTOS

AUDITÓRIO |CASA MUNICIPAL DA CULTURA

Esta pode ser apenas mais uma história infanto-juvenil, de “era uma vez”. Podes ler e sonhar, podes imaginar como seria na realidade o encontro entre dois seres tão diferentes, mas com um amor tão grande entre ambos. Ou então, podes acreditar que é real e que deixou marcas pela vida. Tu escolhes, sonho ou realidade, na verdade, só importa aquilo que somos e sentimos.
Vem ler, vem te divertir, atreve-te a sonhar*